Percepção e Interesse nas Pessoas. Como seus clientes percebem você. - Comediante Stand up , Mestre de Cerimônias
6296
post-template-default,single,single-post,postid-6296,single-format-standard,ajax_fade,page_not_loaded,,qode-theme-ver-10.0,wpb-js-composer js-comp-ver-4.12,vc_responsive

Percepção e Interesse nas Pessoas. Como seus clientes percebem você.

Como é seu interesse pelo que as pessoas pensam ?

Na busca constante de um aprimoramento dos meus negócios, os mais expostos e os mais discretos, venho conversando com empreendedores, amigos e pessoas à minha frente sobre algo que há alguns anos observei que poderia ser uma falha no meu dia a dia. Estou falando de Percepção.

Seja nos negócios econômicos, sociais ou culturais, seja com sua família ou no seu emprego, talvez em pelo menos 50% das vezes a grande maioria das pessoas não perceba as circunstâncias como você.

É inevitável, pressupor que o que achamos do mercado possa não ser percebido pelos demais expectadores seja como for. Costumamos achar que nosso conhecimento está na base, ou no topo. Raramente nos colocamos num ponto central onde deveríamos olhar ao nosso redor para entender o todo. Olhar em uma única direção dá menos trabalho, talvez seja por isso.

Perceber o que as pessoas estão vendo , permite que se ajuste os próximos passos do negócio. Ajuda você a se posicionar melhor diante do seu público e decidir se quer continuar nessa direção ou se “espera, to indo pelo caminho errado”. E mudar a direção.

Converse mais e ouça mais com o coração. Procure pensar no que as pessoas lhe disserem antes de argumentar. Ou mesmo se argumentar por impulso, ao menos leve as informações para casa para uma segunda análise solo e não as descarte de primeira.

Empreendedores têm paixão, coragem, intuição, tino comercial, disciplina, liderança, correm riscos, são excelentes vendedores, criativos e inovadores e uma ambição de chegar ao topo, porém às vezes falta algo. Coisa pouca, provavelmente um ponto simples, mas algo que otimiza a aplicação de todas essas características.

O que seria ? Interesse no que as  pessoas tem a dizer. Todo dia temos oportunidade de conversar com alguém que nunca vimos, ou até alguém que temos contato todos os dias, mas nunca paramos para conhecer mais dessa pessoa. Um porteiro, o cobrador de ônibus, alguém na fila do banco, ou um transeunte esperando para atravessar a rua.

Tenho procurado evoluir esse hábito e o resultado tem sido incrivelmente estimulante. Na última semana, ao chegar adiantado num local onde iria me apresentar, iniciei uma conversa com o garçom do café. Enquanto comia fiz-lhe uma única pergunta sobre qual a programação da semana e quando ele se deu conta que não sabia , se sentiu desatualizado e iniciou uma série de justificativas. O jovem começou com uma história sobre onde mora, sobre seu outro emprego, família e assim seguiu … Nesse momento eu pensei: “u eu paro aqui e peço licença ou fico e vejo o mundo acabar”. Como venho trabalhando sério esse hábito de ouvir as pessoas, deixei-o seguir e arrisquei: “Deixa ver até onde essa cara pode ir”.

No fim da história, estava extremamente interessado, aprendi sobre treinamento e motivação. Meu novo amigo possui um parente muito próximo que é consultor numa grande multinacional. Atua com palestras e treinamentos. O jovem amigo compartilhou comigo técnicas que já vira seu familiar fazer nas quais eu não poderia sonhar tão cedo. Compartilhou dois livros tops de mercado, e ainda me deu um contato. Veja , que eu em momento nenhum me identifiquei como humorista, nem como palestrante e nem como especialista de marketing. Eu apenas lhe dei ouvidos.

E o melhor é  que quanto mais a gente treina mais vontade de ouvir pessoas estranhas, conhecer suas vidas e sugar seus conhecimentos. Esse interesse cresce e acho que podemos ficar técnicos em ouvir. Talvez não como um terapeuta ou um psicólogo, mas sim como um simples interessado.

As pessoas gostam de falar, é gostoso quando alguém se interessa por nossas histórias. Tenho certeza que apesar de eu ter ficado feliz com o que aprendi no dia, aquele garçom ficou ainda mais feliz por poder contar uma história a alguém realmente interessado, assim como estou feliz agora que você tenha lido até aqui com interesse no que eu tinha a dizer hoje.

paulovinnicius
paulovinnicius@paulovinnicius.com.br
No Comments

Post A Comment